É O JUDEU (e não o não-judeu) QUEM DEFINE O QUE É JUDEU E QUEM É JUDEU.

É O JUDEU (e não o não-judeu) QUEM DEFINE O QUE É JUDEU E QUEM É JUDEU.
OS JUDEUS SÃO OS QUE SABEM QUEM É JUDEU E QUEM NÃO O É.
É O JUDEU (e não o não-judeu) QUEM DEFINE O QUE É JUDEU E QUEM É JUDEU.

http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/1216626/jewish/Quem-Judeu.htm


______________________________________________________________________________


[Blog (todo) revisado em 17/10/13.]

"[Em breve,] toda a Terra estará repleta do conhecimento de HASHEM, assim como as águas cobrem o mar."
- Ieshaiáhu (Livro Judaico do Profeta Judeu Isaías) 11:9

A vida é um aprendizado para todos, sem exceção, sempre, e para sempre. E se aprende ou pelo amor ou pela dor.
- O Blog

"O judaísmo identifica-se como um ato de D-us na história da humanidade."
- Herman Wouk

"Os 10 Mandamentos foram uma revelação única na história da humanidade. [Ela foi] ouvida por todo o povo judeu (aproximadamente 3 milhões de pessoas) aos pés do Monte Sinai ... . Israel é o povo que revela a vontade de D-us. Tem por tarefa e objetivo ser o coração da humanidade, uma fonte de vida espiritual para os outros povos."
- Raphael Shammaho

"Feliz é a nação cujo D-us é HASHEM, o povo que 'ELE' escolheu para Sua propriedade. Pois D-us escolheu Yaacov para SI, Israel como Seu tesouro. Feliz é o povo cujo D-us é HASHEM."
- Tehilim (Livro Judaico dos Salmos) 33:12; 135:4; 144:15

"Envia Tua luz e Tua verdade, que elas me conduzam; elas me trarão ao monte do Teu Santuário [o Judaísmo] e às Tuas moradas [os judeus]. Então ... eu Te louvarei ..., ó D-us, meu D-us!"
- Tehilim (Livro Judaico dos Salmos) 43:3, 4

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Criminosos ou não, eles têm o mesmo objetivo: querem a maometização do mundo

"A estória real e verdadeira é que estes homens saíram para matar o maior número possível de não-[maometistas]. A mídia procura esconder este lado para promover a narrativa de “unidade”, e apresentar [maometistas] também como vítimas e isso esconde a natureza genocida do crime.
"E o pior é que os [maometistas] não-jihadistas se calam. Alguém ouviu alguma condenação vinda de algum país maometista ao ataque no Kenia? Ouvimos da comunidade européia, de Ban Ki Moon, de Obama. E os [maometistas] que se dizem não-jihadistas?? Aonde está sua voz que não ouvimos?
"Existe hoje uma campanha mundial de limpeza étnica e assassinato contra não-[maometistas] e chegou a hora de definirmos isso como um crime contra a humanidade."
 
 
Por Deborah Srour.

 
"O Jihad Islâmico como crime contra a humanidade"

"O ataque a civis por [maometistas] ocorrido no Shopping Center em Nairobi na semana passada que deixou pelo menos 74 mortos não foi uma coisa extraordinária. Ele seguiu um roteiro similar a outros ataques que ocorreram nos últimos dias. No Paquistão, no domingo passado, 84 cristãos foram mortos no bombardeamento de uma igreja e na Nigéria, 159 pessoas foram chacinadas por [maometistas] perto de Maiduguri. Tudo no mesmo final de semana.
Infelizmente, a reação da mídia e dos políticos também seguiram um roteiro cuidadosamente trabalhado a que nos acostumamos há tempos: primeiro, terroristas [maometistas] atacam civis tentando separar os [maometistas] dos não-[maometistas] para matar somente o último grupo. Há “condenações” pelos “atos de violência sem sentido” e apelos para mantermos a “calma e unidade”. E logo tudo é esquecido. Os terroristas presos são julgados por cortes civis e dependendo do lugar, talvez pegarão a pena de morte a ser executada daqui há uma década. E voltamos aos nossos refrões diários, que os “terroristas não prevalecerão”.
O problema é que este roteiro não leva em conta um fator central do terrorismo [maometano]: que é preciso parar de tratar estes ataques como crimes isolados. Chegou a hora de defini-los como crimes contra a humanidade.
Testemunhas do ataque no Kenia contaram para a BBC que quando o grupo terrorista Al-Shabaab entrou no Shopping Center, eles reuniram os civis e pediram aos [maometistas] ficarem de pé e sairem”. “Um homem com um nome [jesusista] mas um sobrenome que parecia árabe, conseguiu escapar cobrindo seu primeiro nome com o dedo em sua carteira de identidade. Mas um indiano que estava do seu lado e não conseguiu responder o nome da mãe de Maomé foi sumariamente abatido na frente de todos”.
Do mesmo modo em 2004, quando 17 terroristas entraram no complexo residencial de Khobar, na Arábia Saudita, eles pararam o primeiro transeunte e perguntaram se ele era [jesusista] ou [maometista]. Porque não queriam matar [maometistas]. Pediram à ele mostrar aonde estavam os americanos. Ao final, os terroristas caçaram e mataram 22 residentes, trabalhadores dos Estados Unidos, Africa do Sul, Sri lanka, India, Suécia, Filipinas e Egito.
O mesmo ocorreu nos ataques em Mumbai na India em 2008. Numa conversa telefonica entre os terroristas gravada pelas autoridades, um grupo pediu ao outro para se assegurar que entre os reféns não houvessem [maometistas]. Quando recebeu confirmação, o primeiro grupo deu a ordem para matar todos os reféns deixando o telefone ligado para que ouvissem os tiros. Quando isso ocorreu pode-se ouvir as comemorações do outro lado da linha.
É interessante como reportagens destes ataques tentam logo minimizar a culpa dos terroristas e filtram as referências e o foco nos não-[maometistas]. Em novembro de 2009, Fareed Zakaria da CNN fez um programa especial sobre os ataques em Mumbai. Ele simplesmente disse que os terroristas foram instruidos para matarem o máximo de civis. De fato eles foram instruidos a matarem o máximo possível de infiéis não-[maometistas]. Aí Zakaria descreveu os terroristas como meninos pobres do campo. Ao falar do ataque à sede do Beit Chabad ele falou do “ânimo contra os judeus”. Só que até os anos 80, a maioria dos [maometistas] indianos não sabiam nem aonde estava a Palestina.
Zakaria comparou as ações dos terroristas à “lavagem cerebral” tentando enfatizar a juventude dos terroristas, “estes meninos do campo”… “estas crianças que parecem adolescentes”. A frequência com que Zakaria os chama de “meninos” é incrível. O único terrorista capturado vivo tinha 21 anos na época. O mais velho deles tinha 28 anos. O mais novo tinha 20.
Mas isso não foi só em Mumbai. Nos ataques à Maratona de Boston no ano passado, a mídia em massa definiu os dois irmãos como “jovens” que não conseguiram se integrar nos Estados Unidos como se a culpa fosse nossa e não deles.
Aí eu pergunto: porque o esforço consciente para redefinir estes terroristas como crianças? Porque a decisão consciente de excluir diálogos com instruções de matar somente não-[maometistas] e pintar o ataque como “indiscriminado”?
A estória real e verdadeira é que estes homens saíram para matar o maior número possível de não-[maometistas]. A mídia procura esconder este lado para promover a narrativa de “unidade”, e apresentar [maometistas] também como vítimas e isso esconde a natureza genocida do crime.
Estes três exemplos, Mumbai, Khobar e Nairobi, são apenas a ponta do iceberg. Os rebeldes na Síria entraram na cidade cristã de Maaloula há algumas semanas e forçaram os residentes a se converterem ao Maometismo; [jesusistas] coptas no Egito tiveram suas igrejas queimadas e muitos de seus membros mortos por membros da Irmandade Muçulmana. No começo deste mês 200 [jesusistas] foram sequestrados pelo Fronte Nacional de Libertação Moro nas Filipinas, que quer instaurar um governo [maometista] no sul do país. O grupo é reconhecido como membro observador da Organização da Conferência Islâmica. Quando as Filipinas pediram para se juntar à organização, foi rejeitada.
Do sul da Tailandia, às Filipinas, passando pela Síria e além, a mentalidade jihadista leva a massacres em massa.
É verdade que em muitos casos não só não-[maometistas] são alvejados mas membros de outras seitas [maometistas]. No Paquistão shiitas são mortos todos os dias. Em agosto do ano passado um grupo vestido com uniformes do governo, entraram num ônibus e pediram para ver as carteiras de identidade dos passageiros. Os que tinham nomes shiitas foram alinhados fora do ônibus com as mãos amarradas e executados sumariamente. Já ouviram isso antes?
Através dos anos, muitos acadêmicos têm identificado o jihadismo com “islamo-fascismo” porque o jihad prega o genocidio de não-[maometistas] como um dos pilares da religião. Mas o ocidente se recusa a aceitar esta premissa. O mundo não julga os terroristas como criminosos de guerra cometendo crimes contra a humanidade. Em vez disso, estamos todos ocupados em ofuscar a natureza destes ataques, fingindo que os terroristas são jovens mal-guiados enviados para matar qualquer um minimizando o caráter genocida destas missões.
Pudemos ver isso claramente na descrição dada pelo New York Times ao evento no Kenia esta semana. O jornal descreveu os perpetradores como “militantes do Al-Shabab”. Quando eles mataram o poeta de Gana de 78 anos, Kofi Awooner e a radialista queniana de 31 anos Ruhila Adatia-Sood, isto era parte de uma operação militar?? Dezenas de mulheres mortas nos andares do Shopping, isso é ser “militante”??
Neste último 15 de setembro, quando marcamos os 50 anos do ataque da Ku Klux Klan à igreja batista de Birmingham, que tirou a vida de quatro meninas negras, o jornal não chamou os perpetradores de “militantes”. Mas os objetivos e métodos do Klan não eram diversos do Shabaab ou dos Talibans de hoje: uns como os outros querem matar um grupo específico. Ninguém falou que a Ku Klux Klan saiu naquele dia para matar indiscriminadamente. Se estima que o KKK matou 4.743 pessoas entre 1882 e 1968.
Só no Iraque no ano passado, massacres entre as diversas seitas custou a vida de 4.574 pessoas. E isso é só no Iraque num só ano. Se somarmos todos os ataques por [maometistas] contra não-[maometistas], ou a limpeza étnica de não-[maometistas] em países como o Egito, Iraque e norte da Nigéria, teremos dezenas de milhares somente na última década. São milhões no último século.
E o pior é que os [maometistas] não-jihadistas se calam. Alguém ouviu alguma condenação vinda de algum país [maometista] ao ataque no Kenia? Ouvimos da comunidade européia, de Ban Ki Moon, de Obama. E os [maometistas] que se dizem não-jihadistas?? Aonde está sua voz que não ouvimos?
Precisamos parar de esconder o denominador comum entre Mumbai e Nairobi, entre Khobar, a Nigéria, as Filipinas, a Síria e o Egito. Existe hoje uma campanha mundial de limpeza étnica e assassinato contra não-[maometistas] e chegou a hora de definirmos isso como um crime contra a humanidade e não como “militantismo” ou “terrorismo”. Pode não ser politicamente correto mas certamente é o moralmente correto."