É O JUDEU (e não o não-judeu) QUEM DEFINE O QUE É JUDEU E QUEM É JUDEU.

É O JUDEU (e não o não-judeu) QUEM DEFINE O QUE É JUDEU E QUEM É JUDEU.
OS JUDEUS SÃO OS QUE SABEM QUEM É JUDEU E QUEM NÃO O É.
É O JUDEU (e não o não-judeu) QUEM DEFINE O QUE É JUDEU E QUEM É JUDEU.

http://www.pt.chabad.org/library/article_cdo/aid/1216626/jewish/Quem-Judeu.htm


______________________________________________________________________________


[Blog (todo) revisado em 17/10/13.]

"[Em breve,] toda a Terra estará repleta do conhecimento de HASHEM, assim como as águas cobrem o mar."
- Ieshaiáhu (Livro Judaico do Profeta Judeu Isaías) 11:9

A vida é um aprendizado para todos, sem exceção, sempre, e para sempre. E se aprende ou pelo amor ou pela dor.
- O Blog

"O judaísmo identifica-se como um ato de D-us na história da humanidade."
- Herman Wouk

"Os 10 Mandamentos foram uma revelação única na história da humanidade. [Ela foi] ouvida por todo o povo judeu (aproximadamente 3 milhões de pessoas) aos pés do Monte Sinai ... . Israel é o povo que revela a vontade de D-us. Tem por tarefa e objetivo ser o coração da humanidade, uma fonte de vida espiritual para os outros povos."
- Raphael Shammaho

"Feliz é a nação cujo D-us é HASHEM, o povo que 'ELE' escolheu para Sua propriedade. Pois D-us escolheu Yaacov para SI, Israel como Seu tesouro. Feliz é o povo cujo D-us é HASHEM."
- Tehilim (Livro Judaico dos Salmos) 33:12; 135:4; 144:15

"Envia Tua luz e Tua verdade, que elas me conduzam; elas me trarão ao monte do Teu Santuário [o Judaísmo] e às Tuas moradas [os judeus]. Então ... eu Te louvarei ..., ó D-us, meu D-us!"
- Tehilim (Livro Judaico dos Salmos) 43:3, 4

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Creremos no Mashiach quando ele vir?

Crerá o povo no Mashiach quando ele chegar?
De acordo com o Midrash, não necessariamente. Por exemplo, um Midrash assinala que o Mashiach se revelará e depois se ocultará, antes de ser definitivamente reconhecido:
"Quem quer que crê nele e o segue estará contente com comer as raízes da vassoura e folhas de plantas..., enquanto que aquele que não o siga fará amizade com as nações...". Outro Midrash prevê que depois que as nações do mundo se provoquem uma a outra e o rei da Pérsia provoque ao rei da Arábia (acontecimentos que evocam as recentes revoltas no mundo e as guerras do Golfo), o rei messiânico se parará sobre o teto do Beit HaMikdash e informará a Israel: "Humildes, é chegado o tempo de vossa redenção!!" É óbvio que estas palavras não podem ser entendidas literalmente, como a continuação do Midrash o esclarece: "Se não crês, olhe Minha luz que EU faço brilhar sobre vós". Em outras palavras, o Mashiach encontra descrença e então mostra a Israel certo tipo de luz. Nas palavras do Midrash: "Nesse momento D'us faz brilhar a luz do rei Mashiach e de Israel". E esta luz que abrirá nossos olhos é a luz que estamos esperando.

(VIENEMACHIAJ.)

Traduzido do espanhol por "Bnei Noach"/"Noahides"/"Noa[rri]das" estudando a bíblia JUDAICA ou Tanach (obviamente, de acordo com o Judaísmo).

Mashiach e a paz mundial definitiva

Uma das profecias da era Messiânica mais atraente e emocionante é a paz mundial. Os profetas descrevem um estado de coisas em que o povo judeu terá plena soberania e tranquilidade em sua pátria, a Terra de Israel, e que todas as outras nações do mundo também estarão em paz. Mas, parece que uma era como esta já foi experimentada – se bem que de maneira temporária – durante o reino do Rei Salomão, quando um rei sábio e justo foi capaz de aconselhar e de unir a todo o mundo em paz. Mas, o estado idílico somente durou os quarenta anos do reinado de Salomão. O que será diferente durante a era Messiânica para que permita que isto perdure?
Há duas posições que uma pessoa pode assumir contra o mal. Uma é simplesmente se distanciar do mal, enquanto que a outra é detestar o mal com todo o nosso ser, devido a nosso intenso amor pelo bem. O não detestar o mal permite que um sutil vestígio do mesmo possa continuar. Este mero potencial pode permanecer em estado de hibernação até que chegue um momento que esteja maduro para que emerja. Durante o tempo do Rei Salomão, o bem que se irradiava do Rei e do Templo Sagrado em Jerusalém era tão intenso que causou a suspensão da negatividade em todo o mundo. Mas não havia luz suficiente para vencer completamente o lado osbcuro. Os tiranos e os opressores do mundo antigo – e as sociedades corruptas que eles governaram – se abrandaram, mas não foram transformadas. Assim, depois da morte do Rei Salomão e do cisma da nação Israelita, o mal que estava temporariamente reprimido voltou a emergir. Na era Messiânica, o bem e a santidade que se irradiaram serão tão concretos que a negatividade se fundirá ao seu passo, transformando de maneira permanente a negatividade e convertendo o mundo num lugar de completa piedade e bondade.

(VIENEMASHIAJ.)

Traduzido do espanhól por "Bnei Noach"/"Noahides"/"Noa[rri]das" estudando a bíblia JUDAICA ou Tanach (obviamente, de acordo com o Judaísmo).

domingo, 14 de junho de 2015

Messianismo, messiânico, meshichista. É o judaísmo uma "seita messiânica"?

Ocupar-se tanto no tema da redenção e da vinda do Mashiach não desprende um pouco de cheiro de seita messiânica?
Vivemos em uma geração de "slogans", nem sempre com um significado claro. A palavra "messiânico" sai de nós, os judeus, a diferentes contextos e a certos círculos e se transforma em uma palavra grosseira. Esta confusão conceitual se acentua ainda mais com o fato, que grupos evangelizadores, missionários cristãos se autodefinem como "judeus messiânicos", e como consequência a palavra "messiânico" adquiri um som não judaico. Por isso, deixemos de lado os "slogans" e falemos da essência do conceito. A fé na redenção-libertação universal que chegará através do Mashiach é um dos princípios do judaísmo. Todo o Tanach está cheio de profecias sobre a redenção. Maimônides a enumera como o princípio número 12 dos 13 princípios da fé judaica. Os livros de rezas judaicas tem incrustado do princípio ao fim orações e pedidos pela redenção. Os sábios da Torá Oral transmitem que uma das perguntas que recebe a pessoa quando chega ao "mundo da verdade" é: "Aguardaste a salvação?" Assim também afirma o Talmud: "É obrigação do judeu trabalhar para a aceleração da redenção e para a construção do terceiro Beit HaMikdash, e quem não viveu a reconstrução em seus dias é como se houvesse destruído durante sua vida."
Se isto é "messiânico" ou "messianismo", pois então o judaísmo é uma "religião" muito messiânica.
O fato que utilizam a palavra "Messias" (Mashiach) com usos imprópios, começando pelo cristianismo que argumenta que quem gerou sua religião era um "messias", e seguindo pelos falsos messias que surgiram ao longo das gerações e trataram de anular distintas mitsvot com o argumento que o messias já veio, e finalizando com grupos nas últimas gerações que buscaram tomar para si mesmos as missões do messias e gerar eles mesmos a redenção; não há em tudo isto algo como para desapropriar do judaísmo o conteúdo original e real do conceito.
Nós judeus cremos na vinda do Mashiach, aguardamos sua chegada, elevamos orações para terminar com os "cheblei Mashiach", as dores de parto que estamos vivendo e estamos obrigados a tudo para revelar a redenção e produzir que ela venha com facilidade e alegria.

(VIENEMASHIACH.)

Traduzido do espanhol por
"Bnei Noach"/"Noahides"/"Noa[rri]das" estudando a bíblia JUDAICA ou Tanach (obviamente, de acordo com o Judaísmo).

quinta-feira, 11 de junho de 2015

É NECESSÁRIO QUE O PROFETA ELIAHU (ELIAS) ANUNCIE A REDENÇÃO OU QUE OCORRA A GUERRA DE GOG E MAGOG?

PROFECIAS DO TANACH

É NECESSÁRIO QUE O PROFETA ELIAHU (ELIAS) ANUNCIE A REDENÇÃO OU QUE OCORRA A GUERRA DE GOG E MAGOG?

Como sabemos, Eliahu HaNaví (o Profeta Elias) anunciará a chegada do Mashiach, conforme o versículo: "Eis que vos mandarei o profeta Elias, antes que venha o grande e temível dia de Hashem." (Malachi [Malaquias] 3:23). Como dizemos no Bircat HaMazon (a Benção após as refeições): "Que O Misericordioso nos envie Eliahu, o Profeta, e que nos traga boas notícias, salvação e consolo."
Outro acontecimento vinculado com a redenção é a terrível guerra de Gog e Magog, que livraram muitas nações, com a batalha decisiva tendo lugar sobre as montanhas de Israel (Iechezkel [Ezequiel] Capítulos 38 e 39). Estes dois temas suscitam muitas perguntas: Quando chegará Eliahu? Ele anunciará a iminente chegada do Mashiach ou começará a desempenhar seu papel mais tarde? Como se libertará a guerra de Gog e Magog? E que papel desempenhará o povo judeu sobre ela?
Os midrashim apenas rondam o mistério e oferecem diferenças de opinião. É por isso que os que baseiam suas predições nestas fontes chegam a "livretos" muito contraditórios. Como acontece com qualquer tema, o enfoque correto se encontra na halachá (lei judaica).
Maimônides oferece uma solução clara nos desestimulando de se aprofundar nestas áreas, já que não são essenciais para a redenção e carecemos de informação suficiente para entendê-las.

Para Maimônides a definição de fé na chegada do Mashiach está expressada unicamente na aparição de um líder descendente do Rei David que cumpra as leis correspondentes a redenção. Todos os outros conceitos, como o anúncio do profeta Eliahu e a guerra de Gog e Magog, se sucederão, mas as suas formas e variáveis são secundárias e irrelevantes à verdadeira fé em sua chegada.

Texto extraído do livro La Era Mesiánica.
Copyright © Editorial Kehot Lubavitch Sudamericana.

(Vienemashiaj.)

Traduzido do espanhol por
"Bnei Noach"/"Noahides"/"Noa[rri]das" estudando a bíblia JUDAICA ou Tanach (obviamente, de acordo com o Judaísmo).

algumas respostas aos Bnei Noach acerca de sua observância religiosa

DIRETRIZES PARA OS BNEI NOACH

Veja aqui